Chanuká: Parte 2

Continuação da Parte 1.

A CHAVE PARA A DECODIFICAÇÃO DO LIVRO DE DANI’EL SOBRE O FIM DOS TEMPOS

Vimos que Dani’el escreveu inúmeras profecias sobre Antíoco Epifânio e sua impiedade. Eis um breve compêndio das profecias e do respectivo cumprimento histórico:

1) A visão de Dani’el 8:1-14 é explicada nos versos 20-27. Estas profecias foram cumpridas com a ascensão e queda de Alexandre, o Grande, e a divisão do império grego em quatro partes. O “pequeno chifre”, que propagou a iniquidade em Yisra’el e profanou o Santuário, é Antíoco, de acordo com todos os fatos já expostos.

2)  As duas mil e trezentas tardes e manhãs, em que o Templo em Yerushalayim (Jerusalém) ficou sem sacrifícios (Dn 8:13-14), relacionam-se ao tempo em que Antíoco fez cessar os sacrifícios ao ETERNO, determinando a realização de sacrifícios idólatras (I Macabeus 1:41-64, 4:36-61 e II Macabeus 10:1-8). Já que a Torá determina que as ofertas no Santuário sejam feitas ao amanhecer e ao entardecer (Shemot/Êxodo 29:38-43), 2.300 tardes e manhãs (Dn 8:14) equivalem a 1.150 dias, que é aproximadamente o período de três anos e meio. Durante este período, os israelitas não puderam oferecer sacrifícios, uma vez que o Templo estava sob o domínio de Antíoco (I Macabeus 1:41-64, 4:36-61 e II Macabeus 10:1-8).

3) Durante “um tempo, tempos e metade de um tempo” (três anos e meio), Dani’el escreveu que alguém (Antíoco) iria proferir insultos contra o Altíssimo, perseguindo os santos e tentando mudar os tempos e a Torá (Dn 7:25), o que de fato ocorreu (I Macabeus 1:10-64; 2:29-37; II Macabeus 6 e 7).

4) A profecia sobre Antíoco em Dani’el 11:21-27 foi cumprida em I Macabeus 1:16-19.

5) Danie’l profetizou sobre a fúria de Antíoco contra a aliança sagrada (Torá) e sobre a colocação da abominação da desolação no Templo (Dn 11:28-35), o que foi concretizado historicamente em I Macabeus 1:20-64. 

Percebe-se claramente que Dani’el está profetizando sobre os fatos relativos a Antíoco, que culminaram com a “Revolta dos Macabeus” e a instituição da festa de Chanuká. Porém, Dani’el recebeu a revelação de que tais fatos se referem ao fim dos tempos (Dn 8:17 e 19; 10:14; 11:35 e 40; 12:9). Há, então, uma aparente contradição? Se os fatos profetizados por Dani’el já ocorreram na época de Antíoco, como é que eles dizem respeito ao Tempo do Fim?

Resposta: as profecias de Dani’el possuem cumprimento em dois momentos distintos, tanto na época dos Macabeus quanto no Fim dos Tempos. São visões proféticas sobre eventos semelhantes que ocorrem em dois períodos históricos. Ou seja, muitos episódios que ocorreram com os macabeus se repetirão!    

Então, estudar os livros dos Macabeus é de suma importância, porque no fim dos tempos tudo irá acontecer de forma bastante semelhante. Isto foi comprovado por Yeshua HaMashiach. Senão vejamos.

Em Matityahu (Mateus), capítulo 24, e Yochanan Marcus (Marcos), capítulo 13, Yeshua discorre sobre o Tempo do Fim e, no meio de seu discurso, fala:

Mt 24:15 (Peshitta): E quando virem o sinal da abominação da desolação, de que falou o profeta Dani’el, que se levantará no lugar sagrado  (quem lê, entenda),

Mc 13:14 (Peshitta): E quando virem o sinal da abominação da desolação, de que falou o profeta Dani’el, que estará onde não deveria  (quem lê, entenda), então, os que estiverem em Yehudá devem fugir para a montanha.

Ora, se Yeshua e seus discípulos sabiam que há quase 200 anos atrás a abominação da desolação (estátua de Zeus) foi posta no Templo em Yerushalayim (Jerusalém), cumprindo-se a profecia de Dani’el, por que Yeshua fala que tal profecia de Dani’el se refere ao futuro? 

Porque Yeshua quis dar a entender a seguinte mensagem: assim como a abominação da desolação foi instalada no Templo no passado, da mesma forma isto acontecerá no futuro (“quem lê, entenda”).  Em outras palavras, o Mashiach lecionou que os escritos proféticos de Dani’el se repetirão no Fim dos Tempos:

“E veio perto de onde eu estava; e, vindo ele, me amedrontei, e caí sobre o meu rosto; mas ele me disse: Entende, filho do homem, porque esta visão acontecerá no fim do tempo” (Dan’iel 8:17).

“E disse: Eis que te farei saber o que há de acontecer no último tempo da ira; pois isso pertence ao tempo determinado do fim” (Dani’el 8:19).

“Agora vim, para fazer-te entender o que há de acontecer ao teu povo nos derradeiros dias; porque a visão é ainda para muitos dias” (Dani’el 10:14; vide ainda Dn 11:35 e 40; 12:9).

Insta repetir: os fatos vivenciados pelos Macabeus na época de Antíoco ocorrerão novamente. Estudar-se-á, doravante, que Antíoco prefigura o Antimessias (“Anticristo”).

 

ANTÍOCO: O PROTÓTIPO DO ANTIMESSIAS (“ANTICRISTO”) E O QUADRO APOCALÍPTICO

Antíoco foi um grande inimigo da Torá:

“Então o rei Antíoco publicou para todo o reino um edito, prescrevendo que todos os povos formassem um único povo e que abandonassem suas leis particulares. Todos os gentios se conformaram com essa ordem do rei, e muitos de Yisra’el adotaram a sua religião, sacrificando aos ídolos e violando o shabat [sábado].

Por intermédio de mensageiros, o rei enviou à Yerushalayim [Jerusalém] e às cidades de Yehudá [Judá] cartas prescrevendo que aceitassem os costumes dos outros povos da terra, suspendessem os holocaustos, os sacrifícios e as libações no Beit Hamikdash [Templo], violassem os shabatot [sábados] e as festas, profanassem o santuário e tudo que é santo, erigissem altares, templos e ídolos, sacrificassem porcos e animais imundos, deixassem seus filhos incircuncidados e maculassem suas almas com toda sorte de impurezas e abominações, de maneira a obrigarem-nos a esquecer a Torá e a transgredir seus mandamentos.

Todo aquele que não obedecesse à ordem do rei seria morto”. (Macabim Álef/I Macabeus 1:41-50).

“… o rei [Antíoco] fez construir, sobre o altar dos holocaustos, a abominação da desolação. Também nas outras cidades de Yehudá [Judá] erigiram-se altares [idólatras].

E às portas das casas e nas praças queimava-se incenso [aos deuses].

Quanto aos livros da Torá, os que lhes caíam nas mãos eram rasgados e lançados ao fogo” (Macabim Álef/1º Macabeus 1:54 a 56).

A hostilidade de Antíoco em relação à Torá foi tão feroz que os Livros de Macabeus narram a apostasia que se instalou entre os judeus: a) adotaram outros deuses; b) praticavam costumes pagãos; c) celebravam as festas dos deuses estrangeiros; d) não guardavam os mandamentos da Torá; e) profanavam o shabat; f) não circuncidavam seus filhos; g) comiam animais impuros; h) praticavam imoralidade sexual; i) realizavam diversas condutas contrárias à Torá.

Tendo em vista que Antíoco era contrário à Torá e forçou que os judeus descumprissem seus mandamentos, Dani’el profetizou que ele (Antíoco) “atirou a verdade ao solo” (Dn 8:12). À luz das Escrituras, a verdade é a Torá, inferindo-se daí que Antíoco atirou a Torá ao solo, ou seja, desprezou-a. 

Vale citar textos que comprovam que a Torá é a verdade:

“Tua justiça é uma justiça eterna,

E tua Torá é a verdade 

(Tehilim/Salmos 119:142).

“Tu estás perto, YHWH,

e todas as tuas mitsvot [mandamentos] são a verdade 

(Tehilim/Salmos 119: 151).

Destarte, conclui-se que Antíoco é o símbolo da transgressão à Torá. Na B’rit Chadashá, há uma contraposição entre a verdade (Torá) e a mentira (negação da Torá), entre Yeshua HaMashiach e o Antimessias (“Anticristo”). Senão vejamos.

Yeshua veio para ensinar a verdade, ou seja, a Torá (Mt 5:17-19). Se a Torá é a verdade, logo, a mentira significa a negação da Torá. Quem propaga a mentira, ou seja, a invalidação da Torá, é HaSatan (Satanás):

“Desde o princípio, ele [HaSatan] foi um assassino e nunca se apegou à verdade, porque não há verdade nele. Quando mente, fala de seu caráter, porque é mentiroso e, de fato, o pai da mentira.” (Yochanan/João 8:44).

HaSatan, o enganador do mundo todo.” (Apocalipse 12:9).

Nos Manuscritos em grego do “Novo Testamento”, aparece a palavra ανομος (anomos), que, de acordo com o Dicionário Strong (verbetes nº 459 e 460), tem o sentido de: 

1) “destituído da lei (mosaica)”, ou seja, sem a Torá;

2) “que se desvia da lei [Torá], que desrespeita lei [Torá], ilegal, malvado”;

3) “sem a lei [Torá], sem o conhecimento da lei [Torá]”;

4) “pecar em ignorância da lei Mosaica [Torá]”;

5) “viver ignorando a lei [Torá] e a disciplina”.

Em suma, “anomos” é aquele que vive contrariamente à Torá. 

Vejamos alguns textos bíblicos em que consta o termo ANOMOS nos Manuscritos em grego:

“Então eu [Yeshua] lhes direi abertamente na cara: ‘Nunca vos conheci! Apartai-vos de mim, vós que praticais ANOMOS [obras contrárias à Torá].” (Mt 7:23)

“O Filho do Homem enviará seus anjos, e eles tirarão do seu Reino tudo o que faz pecar e aqueles que fazem ANOMOS [obras contrárias à Torá].” (Mt 13:41)

aparecerão vários falsos profetas e enganarão muitas pessoas. E, por se multiplicar ANOMOS [“o que é contrário à Torá”], o amor de muitos esfriará.” (Mt 24:11-12).

Interessante observar que o texto que fala sobre a vinda do Antimashiach (”o Anticristo”) declara que ele é o próprio ANOMOS (“contrário à Torá”, “inimigo da Torá”):

“Porque já se opera o mistério do ANOMOS

E, então, será revelado o ANOMOS [“o inimigo da Torá”], a quem o Senhor desfará pelo assopro da sua boca e aniquilará pelo esplendor de sua vinda. A esse cuja vinda é segundo a eficácia de HASATAN, com todo o poder, e sinais, e prodígios de MENTIRA, e com todo o engano da injustiça para os que perecem, porque não receberam o amor da VERDADE para se salvarem. E, por isso, Elohim lhes enviará a operação do erro, para que creiam na mentira, para que sejam julgados todos os que não creram na VERDADE [a Torá]; antes, tiveram prazer na injustiça.” (2ª Tessalonicenses 2:7-12, traduzido de textos gregos).

Conclusão: o ANOMOS (inimigo da Torá) é o Antimessias (“Anticristo”). 

Nos textos aramaicos também se retrata o mesmo conceito:

2 Ts 2: (Peshitta): 

Agora, peço-lhes, meus irmãos, acerca da vinda de nosso Senhor Yeshua HaMashiach e acerca de nossa reunião com ele, 

2 para que não estejam abalados em suas mentes, nem perturbados, nem por palavra, nem por espírito, nem por carta, como se fosse de nós, [dizendo]: Eis que o dia de nosso Senhor chegou.

3 Por que o homem os engana de toda forma? Pois não virá [este dia] antes [que apareça] a rebelião, e seja revelado o homem do pecado, o filho da perdição.

4 Este é um opositor [a Elohim], e se exalta acima de tudo que se chama Elohim, e é temido, e também no Templo de Elohim, como Elohim, irá assentar-se, e exibirá a si mesmo como se fosse Elohim.

5 Não se lembram de que, enquanto eu estava com vocês, eu lhes disse essas [coisas]?

6 E agora vocês sabem o que o impede, para que ele seja revelado em seu tempo.

7 Pois o mistério da iniquidade  já começou a trabalhar, somente se aquele que o retém agora seja retirado do meio, 

8 então o injusto será revelado, a quem nosso Senhor Yeshua o destruirá pelo sopro da sua boca, e ele o eliminará na manifestação da sua vinda. 

9 Porque a vinda daquele ocorre pelo trabalho de HaSatan, com todo poder, e sinais e falsos milagres,

10 e com todo o engano da injustiça para os que perecem, porque não receberam o amor da verdade, pelo qual poderiam ter vida. 

11 Por isso, Elohim lhes enviará a operação do engano para que creiam na mentira. 

12 E todos eles serão julgados, aqueles que não creram na verdade, mas tiveram prazer na injustiça. 

Analisando-se o texto acima de 2 Tessalonicenses na Peshitta, verificam-se determinadas expressões que, no pensamento judaico, se referem à transgressão da Torá: “rebelião”, “pecado”, “perdição”, “iniquidade”, “engano”, “injustiça”, “opositor a Elohim”.

Ora, se a Torá é a sabedoria de YHWH (conceito muito mais amplo do que lei de Moisés), sabedoria que está presente em todas as Escrituras (Tanach e B’rit Chadashá), então, o Antimessias é aquele que se levanta contra a Torá, contra a sabedoria de HaShem.

Tal como, no passado, Antíoco hostilizou a Torá, o Antimessias fará o mesmo. Não obstante, já no primeiro século existiam pessoas que eram antimessias (inimigas da Torá):

“Meus filhos, este tempo é o último, de acordo com o que vocês ouviram: virá o falso Mashiach. E agora há muitos falsos m’shichim, e por isto sabemos que o tempo é o último.” (1 Jo 2:18).

Tanto Antíoco Epifânio quanto o Antimessias (Anticristo) se assemelham pelas seguintes características:

1) promoção da idolatria;

2) disseminação de práticas pagãs;

3) perseguição aos que guardam os mandamentos da Torá, inclusive martirizando os fiéis a HaShem;

4) propagação da apostasia em geral.

Os antigos hebreus identificam Antíoco como sendo uma figura de Nabucodonosor e de seu império babilônico. Bavel (Babilônia) é o símbolo das falsas religiões que se opõem à Torá de YHWH. É por este motivo que as Escrituram mandam “sair de Bavel (Babilônia)”, isto é, abandonar as falsas religiões, opositoras à sabedoria de HaShem:

“Saiam de Bavel [Babilônia]” (Yeshayahu/Isaías 48:20).

“Fujam de Bavel [Babilônia]” (Yirmeyahu/Jeremias 50:8).

“Fujam de Bavel; cada um salve a própria vida!

Não pereçam pela iniquidade dela.

Pois chegou o tempo da vingança de YHWH;

ele retribuirá o que ela merece…

Tentamos curar Bavel, 

mas ela não pode ser curada.

Então deixem-na em paz, e cada um de nós volte para sua terra.

Pois o julgamento contra ela chegou aos céus” (Yirmeyahu/Jeremias 51:6 e 9).

A falsa religião de Antíoco enganou muitos judeus. Semelhantemente, explica Apocalipse que as nações são enganadas por Bavel (= Babilônia):

 “Bavel, a Grande,

a Mãe das Prostitutas e das obscenidades da terra” (Ap 17:5).

“Ela caiu! Caiu, Bavel, a Grande!

Ela se tornou um lugar para os demônios,

cárcere de todo espírito impuro,

cárcere para toda ave impura e odiosa.

Porque todas as nações beberam do vinho 

da fúria de Elohim por causa de sua prostituição –

sim, os reis da terra se prostituíram com ela,

e, de seu amor incontido pelo luxo excessivo,

os negociantes da terra enriqueceram” (Ap 18:2-3).

Antíoco foi responsável por propagar a apostasia (1º Macabeus 2:15). Igualmente, o Antimessias disseminará a apostasia (II Ts 2:3). Na Peshitta, a palavra  מָרוּדוּתָא, traduzida em II Ts 2:3 como “apostasia”, significa rebelião, isto é, rebelião promovida contra YHWH e sua Torá. Logo, a apostasia do fim dos tempos quer dizer justamente que os homens viverão em desobediência às mitsvot (mandamentos) do ETERNO, rebelando-se contra a sabedoria divina.

Com toda propriedade, o rabino James Scott Trimm ensina que a “a Festa de Chanuká é um retrato dos últimos dias”, mediante o seguinte quadro comparativo:

EVENTOS DOS ÚLTIMOS DIAS EVENTOS DOS MACABEUS
Apostasia (2 Ts 2:3) Paganização de Israel (1º Mac. 1:11-15)
A besta de Apocalipse 13, que é um composto dos quatro animais de Daniel 7, comete a abominação da desolação referida por Daniel (Mt. 24:15; 2Ts 2:1-4). A profanação do Templo por Antíoco Epifânio (1 Mac. 1:41-64 e 2 Mac. 6:1-6)
Tribulação (Mt 24:9-13, 29) Mártires (2 Mac. 6:7-31; 7; 4 Mac. 5-18)
3 anos e meio em que Yehudá terá que ficar foragido no deserto (Lc 21:20-24; Ap 12) Judas (Yehudá), sua família e seus aliados fugiram para o deserto da Judeia por três anos
O Messias é o Kohen (Sacerdote) e o Rei que prevalece Yehudá (Judas) foi Kohen (Sacerdote) e Rei, que por fim prevaleceu
O novo Templo é dedicado (Ez 40-48). A festa de Sukot [Cabanas/“Tabernáculos”] é celebrada pelo mundo no Reino (Zc 14: 16-19)  O Templo é rededicado a YHWH com uma celebração tardia de Sukot, que dá origem à festa de Chanuká (1 Mac. 4:36-61; 2 Mac. 10:1-9)
Apenas um pequeno remanescente selado será encontrado quando Messias retornar (Ap 12:17; Ap 7)

A Arca revela a sua posição (2 Mac.2:4-8)

Apenas um vaso selado pelo Sumo Sacerdote é encontrada no Templo (m. Shabat 21b) 

Em uma era de apostasia, mister proclamar as advertências apocalípticas àqueles que vivem contra a Torá e contra Yeshua, iludidos por Bavel (Babilônia), o falso sistema religioso:

Meu povo, saia dela! [de BAVEL]

Para que vocês não participem dos pecados dela, 

para que não sejam infectados por suas pragas,

porque seus pecados formam uma

massa pegajosa que alcança o céu,

e Elohim se lembrou dos seus crimes”.

(Apocalipse 18:4-5, que se trata de uma paráfrase das profecias de Yeshayahu/Isaías 48:20 e Yirmeyahu/Jeremias 50:8, 51:6 e 9).

Que a celebração da Festa de Chanuká não seja a mera recordação de eventos do passado, mas que traga novo entendimento sobre o que nos aguarda no porvir.

Como “novos macabeus” do século XXI, preparemo-nos para o Fim dos Tempos!!! 

 

“E se irou o dragão contra a mulher, e partiu para fazer guerra contra o remanescente de sua semente, os que guardam as mitsvot de Elohim e têm o testemunho de Yeshua.” (Apocalipse 12:17).

Don`t copy text!